Óleos vegetais são boas opções?

Reduzir o risco de obesidade e problemas de saúde. Acho que esse seja um desejo unânime, não é?

É claro que várias são as causas de processos inflamatórios, doenças, ganho de peso etc. Porém, é bem provável que em muitos casos não seja preciso remédios nem cirurgia. Sabia? Apenas com comida de verdade.

Sabe qual é um dos grandes prováveis vilões nesse processo (depois do açúcar)? O tal do óleo vegetal!

Além do açúcar, a humanidade vem aumentando MUITO o consumo dos óleos vegetais (ricos em ômega-6) em pouco tempo. Deslize para ver os gráficos. Em contrapartida, o consumo de alimentos de origem animal vem diminuindo – indo na contramão da nossa história evolutiva. E a saúde da população? Bem, se você acompanha os noticiários, vem vendo, por exemplo, que mais da metade da população brasileira está com sobrepeso e a cirurgia bariátrica só cresce etc.

Ao longo da evolução, os seres humanos obtiveram ômega-3 e ômega-6 em uma determinada proporção. Embora essa proporção seja diferente entre as populações, estima-se que tenha sido de aproximadamente 1: 1.

No entanto, no século passado, essa proporção na dieta ocidental mudou drasticamente e pode chegar a 20: 1

A inflamação crônica é um fator subjacente em algumas das doenças ocidentais mais comuns, como doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e artrite.

Alguns óleos vegetais são ricos em ácidos graxos ômega-6. Cientistas acreditam que comer ômega-6 em excesso pode levar ao aumento da inflamação no corpo e potencialmente contribuir para doenças.

Alguns óleos vegetais com alto teor de ômega-6 incluem:

  • Óleo de soja
  • Óleo de canola
  • Óleo de milho
  • Óleo de girassol

No entanto, se estiver preocupado(a), evite óleos ou margarina que contenham óleos ricos em gorduras ômega-6. O azeite de oliva é um bom exemplo de um óleo de cozinha saudável com baixo teor de ômega-6.

Aqui em casa, há quase 3 anos não compramos óleos vegetais nem margarina.

Fontes:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26950145

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16841858

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22570770

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22334255

https://goo.gl/fCXfhv

Compartilha nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *