Mitos: atividade física, imunidade e suplementação de glutamina

No meio esportivo quando se fala em imunidade logo recomenda-se a suplementação de glutamina. A  glutamina é um aminoácido não essencial que tem um papel importante dentro do sistema imune. Paralelo a isso, há uma forte associação entre a prática esportiva e fragilidade no sistema imune. Como consequência, recomenda-se a suplementação de glutamina para sanar esse “problema”.

Mas, quais são as evidências? A prática desportiva realmente fragiliza nossa imunidade? A suplementação de glutamina otimiza o sistema imune em atletas?

Vejamos.

O recente estudo analisou o

Efeito da rápida perda de peso e suplementação de glutamina na imunossupressão de atletas de combate: estudo duplo-cego controlado por placebo.

23 atletas do sexo masculino foram aleatoriamente designados para receber glutamina (21 g / dia, n = 12) ou placebo (ovalbumina, n = 11) por 10 dias. 6 atletas que não perderam peso serviram como controles. Os atletas foram avaliados por 21 dias antes (-21d), 1 dia antes (-1d) e 5 dias depois (+5d) de uma competição.

Em ambos os grupos de perda de peso, a maioria dos atletas relatou sintomas do trato respiratório superior. Apenas dois atletas relataram sintomas no grupo controle. A função celular imune permaneceu inalterada durante todo o estudo, exceto por um aumento na atividade fagocítica dos neutrófilos e uma pequena alteração na atividade fagocitária de monócitos em ambos glutamina e placebo após perda de peso. A glutamina plasmática e o cortisol permaneceram inalterados ao longo do estudo. os níveis de creatina quinase foram aumentados no placebo, mas não na glutamina. A rápida perda de peso aumentou a frequência e a gravidade dos sintomas de infecção, mas isso não foi associado à depleção de glutamina no plasma nem contrariada pela suplementação de glutamina.

Conclusão:

“… o presente estudo confirmou que a rápida perda de peso leva ao aumento da frequência de sintomas de infecção. No entanto, isso não estava ligado à diminuição dos níveis de glutamina, nem a suplementação de glutamina foi capaz de neutralizar a aparente diminuição da imunidade durante a rápida perda de peso. A imunossupressão induzida pela rápida perda de peso não está relacionada aos níveis circulantes de glutamina; Portanto, a suplementação de glutamina não é benéfica para apoiar a função imunológica em atletas de combate submetidos a rápida perda de peso.

Fonte: https://goo.gl/udM7GR

Esse estudo viu que a suplementação de glutamina não otimizou a função imunológica em atletas de combate. Mas outra questão ainda precisa ser analisada!

Será que a prática regular de atividade física está associada a fragilidade imunológica?

Uma recente revisão foi feita para analisar o que há na literatura que relacione a atividade física e imunidade.

“Desmascarando o mito da supressão imunológica induzida pelo exercício: redefinindo o impacto do exercício na saúde imunológica ao longo da vida.”

Esta revisão anula um mito que persiste há quase quatro décadas – que competir em esportes de resistência, suprime o sistema imunológico do corpo e torna os competidores mais suscetíveis a infecções.

O novo artigo feito por  pesquisadores do Departamento de Saúde da Universidade de Bath e publicado na revista Frontiers in Immunology, reinterpreta as descobertas científicas das últimas décadas e enfatiza que o exercício – em vez de fragilizar a imunidade – pode ser benéfica para saúde imune.

A revisão (detalhada) foi feita com dados publicados desde a década de 80 e se baseia em princípios fundamentais de imunologia e fisiologia do exercício, para esclarecer equívocos e interpretações errôneas que se formaram ao longo dos anos.

O autor James Turner, co-autor do estudo, acrescentou: “Dado o importante papel que o exercício tem para reduzir o risco de doença cardiovascular, câncer e diabetes tipo II, os resultados de nossa análise enfatizam que as pessoas não devem ser afastadas por medo de que Claramente, os benefícios do exercício, incluindo esportes de resistência, superam quaisquer efeitos negativos que as pessoas possam perceber. ”

Os autores sugerem que, embora um exercício extenuante em si não aumente a probabilidade de contrair uma infecção, outros fatores podem.

Primeiro, participar de qualquer evento em que haja um grande número de pessoas aumenta sua chance de infecção. Em segundo lugar, o transporte público, particularmente as viagens aéreas por longas distâncias, onde o sono é interrompido, também pode aumentar o risco de infecção. Outros fatores, como comer uma dieta inadequada, ficar com frio e úmido e estresse psicológico, têm sido associados a uma maior chance de desenvolver infecções.

Para atletas de endurance, o exercício faz com que as células imunológicas mudem de 2 maneiras. Inicialmente, durante o exercício, o número de algumas células imunes na corrente sanguínea pode aumentar dramaticamente em até 10 vezes, especialmente as “células assassinas naturais” que lidam com infecções. Após o exercício, algumas células diminuem substancialmente – às vezes caindo para níveis mais baixos do que antes do início do exercício, e isso pode durar várias horas.
No entanto, evidências fortes sugerem que isso não significa que as células foram “perdidas” ou “destruídas”, mas sim que elas se mudam para outros locais do corpo com maior probabilidade de serem infectados, como os pulmões.

Conclusão:

“Evidências contemporâneas de estudos epidemiológicos mostram que levar um estilo de vida fisicamente ativo reduz a incidência de doenças transmissíveis (por exemplo, infecções bacterianas e virais) e não transmissíveis (por exemplo, câncer), sugerindo que a competência imunológica é aumentada por exercícios regulares. No entanto, até hoje, a prática de pesquisa, o ensino acadêmico e até mesmo a promoção e a prescrição de atividades físicas continuam a considerar um mito predominante de que o exercício pode suprimir temporariamente a função imunológica. Revisamos criticamente as evidências relacionadas e concluímos que a atividade física regular e o exercício frequente são benéficos ou, no mínimo, não prejudicam a saúde imunológica. Resumimos que evidências confiáveis ​​limitadas existem para apoiar a alegação de que o exercício suprime a competência imune celular ou solúvel, o exercício por si não aumenta o risco de infecções oportunistas e exercícios podem melhorar as respostas imunes in vivo antígenos bacterianos, virais e outros. Além disso, apresentamos evidências mostrando que a atividade física regular e o exercício freqüente podem limitar ou retardar o envelhecimento imunológico. Concluímos que levar um estilo de vida ativo provavelmente será benéfico, e não prejudicial, à função imunológica, o que pode ter implicações para a saúde e a doença na velhice.”

Então, 2 “mitos” não têm fundamentação até agora. O primeiro é que a suplementação de glutamina fortaleça o sistema imunológico e o segundo é que atividades de resistência por si só fragilize o sistema imune.

O que importa, na verdade, é ter bons hábitos! Praticar atividade regularmente bem como ter uma boa alimentação.

Fontes:
https://goo.gl/FuwtxC
https://goo.gl/dS2SBh

Compartilha nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *